quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A magreza

Toda a minha vida fui magrinha, quando era miúda era mesmo um palito, trinca-espinhas, monte de ossos.
Lembro-me de tomar suplementos, vitaminas, tudo para abrir o apetite, e nada. Lembro-me que cada refeição era um martírio, desde bebé que era um castigo para me alimentar, era daquelas coisas que eu dispensava bem e que deixavam a minha família com os nervos em franja.
Eu até bolas de carne fazia e dava ao gato, enrolava, demorava horas à mesa, mas comer... comer é que não.

Felizmente a coisa mudou e na adolescência comecei a comer bem, mais que muito bem até. Ganhei algum peso e quando entrei na faculdade era uma rapariga de porte perfeitamente normal, tendo deixado a aparência de esqueleto lá para trás.

Mas a minha genética, ruindade, ou as bichas solitárias (brincadeira, que faço análises com regularidade e não tenho parasitas) nunca me deixam engordar muito. Meço 1,67 e o meu máximo foi 62kgs, aí estava bem redonda, mas foi uma fase curta, pois uns meses mais complicados e stressantes levou-me em 15 dias aos 57 e em dois meses aos 48... Nessa altura fui para o ginásio, a única vez que fiz ginásio na vida foi para GANHAR PESO.

Era hilariante, ver as mulheres todas no cardio e eu só podia fazer 10 minutos e ia "encher" com pesos... Bonito!

Entretanto o meu peso estabilizou e há anos que mais dois menos dois ando sempre a rondar os 58kg, o problema é que eu como de tudo e o máximo humanamente possível.

Eu não salto refeições, eu não evito doces, bebo coca-cola, como bolachas, bolos ou chocolates todos os dias, sou doida por gomas, como com alguma frequência pizza, macdonald's ou francesinhas, quando lancho donuts é sempre de dois para cima, bebo leite com chocolate de pacote, iogurtes sem ser light, como pão com tudo, lambuzo-me de nutella, eu sei lá... Não tenho cuidadinho nenhum e... nem mais uma grama.

Duas coisas a reter: quando alguém me vem com discursos moralistas que esta alimentação não é correcta e que aos 30, ou 35 ou 40 vou notar e que vou ter colesterol (não tenho) e lai lai lai, só me apetece partir para a violência, eu como porque me dá um prazer incrível e porque não noto que isso me traga qualquer prejuízo, a não ser a felicidade.
Outra coisa: passar a vida a combater a magreza também não é bom, se me distraio, se me stresso mais, se ando mais cansada, pimbas menos dois kgs (também nunca desço mais que isso), mas há quem lute contra a gordura e respeito e entendo que não é fácil, mas a minha luta é o oposto.

Por isso deixem-me comer que nem um animal.

Obrigada! :P

8 comentários:

  1. Quem me dera poder ter escrito este post...infelizmente não posso:))
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Querida saloia, é favor postar aqui a sua morada, que eu envio o meu metabolismo «come 2 batatas fritas e engorda 4 kgs» por correio. Em troca, só peço a gentileza de responder enviando o seu metabolismo aqui para este humilde casinhoto! :) :) :) já agora só mais uma palavra: SORTUDA!!! Come p'rá frente, mulheri ;)

    ResponderEliminar
  3. "musica" para os meus olhos.
    Gostava imenso de perder uns kgs...
    Mas sei que quando acontece é porque a vida não corre bem. Assim sendo.
    Fico-me assim...como estou. ; )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca estamos satisfeitas, somos umas chatas :D

      Eliminar